Pesquisa

Língua de Sinais Atípica em pessoas surdas com lesão cerebral: estudo de três casos

Pesquisador Responsável: Felipe Venâncio Barbosa

[projeto em andamento]

Este estudo analisou comparativamente a produção e compreensão da língua de sinais de três sujeitos com dificuldades de comunicação em Língua Brasileira de Sinais (Libras) que apresentam diagnóstico de transtorno de linguagem nessa língua e que estão sob os cuidados dos serviços de saúde do Estado de São Paulo. Esses sujeitos foram identificados por meio de informações obtidas junto a profissionais especializados na área (fonoaudiólogos, professores de surdos e professores surdos). Os sujeitos foram selecionados com base em três critérios: (i) diagnóstico médico, especificamente relacionado à lesão cerebral; (ii) queixas da escola de línguas e reclamações apresentadas pelo próprio sujeito, sua família ou a escola e (iii) o resultado da triagem de linguagem com base na linguagem de sinais. Foram aplicados testes de linguagem expressiva e recepetiva. Os dados estão em análise.

Análise de narrativas curtas de adultos surdos com atraso na aquisição da língua de sinais (FAPESP)

Pesquisador Responsável: Felipe Venâncio Barbosa

[projeto em andamento]

A aquisição da linguagem é influenciada pelos estímulos que a criança recebe em suas interações e, portanto, a acessibilidade à linguagem é essencial para o desenvolvimento adequado da cognição. A elaboração de instrumentos de avaliação específicos para investigar a aquisição da Língua Brasileira de Sinais (Libras) é uma demanda, considerando o pequeno número de pesquisadores brasileiros envolvidos nesta área. A avaliação da linguagem pode ser feita pela observação de um ou vários níveis de análise linguística, funções cognitivas ou estado mental. Uma forma de observar as habilidades de linguagem expressiva é analisar narrativas. O objetivo principal deste projeto é analisar narrativas curtas em Libras, produzidas por surdos com aquisição da linguagem iniciada em período próprio e aquisição tardia da linguagem. Analisaremos 37 amostras de narrativas curtas em Libras, disponíveis em formato de vídeo no banco de dados do Grupo de Pesquisa em Língua de Sinais e Cognição do Departamento de Lingüística da Universidade de São Paulo. Os vídeos serão analisados ​​de acordo com o tipo de análise proposta por Herman et al. (2004) e os dados serão discutidos com os pesquisadores do DCAL durante a análise e desenvolvimento da pesquisa. Como resultado, pretendemos descrever os achados das narrativas curtas em Libras e compará-los com as produções dos surdos com atraso na aquisição da língua de sinais e com queixas de linguagem. Ao final da pesquisa poderemos apresentar uma proposta de protocolo de avaliação.

Aquisição tardia da língua de sinais e compreensão de frases: um estudo sobre a língua brasileira de sinais com o Token Test

Pesquisador Responsável: Felipe Venâncio Barbosa

[projeto em andamento]

O Token Test é um instrumento idealizado por DeRenzi e Vignolo (1962) para o diagnóstico de desordens sutis expressivas de linguagem. Este estudo apresenta os resultados da aplicação da adaptação deste teste para a Língua Brasileira de Sinais (Libras) em um grupo de 90 surdos adultos com e sem atraso na aquisição de língua. Os resultados apresentam dados descritivos do desempenho para o grupe e comparam as pontuações dos participantes com e sem atraso na aquisição de Libras e com e sem queixas de linguagem. Foi observada diferença estatisticamente significante para ambas as variáveis com pontuações maiores para surdos sem atraso na aquisição de Libras e sem queixas de linguagem.

Triagem de habilidades linguísticas da língua brasileira de sinais – instrumento de apoio clínico e educacional

Pesquisador Responsável: Felipe Venâncio Barbosa

[projeto concluído]

A avaliação das habilidades linguísticas de pessoas surdas, com base nas línguas de sinais, tem sido foco de diversos pesquisadores no mundo. Atualmente os diversos níveis de análise linguística têm sido contemplados por estudiosos, permitindo que profissionais da área da saúde e da educação consigam observar a comunidade surda não apenas em sua proficiência na língua de sinais, mas no grau do domínio da língua. Língua de sinais atípica é um termo usado para fazer referência às manifestações de desordem da comunicação humana expressas nas línguas de sinais (Barbosa, 2016). De acordo com as definições propostas por Andrade (1996) para as desordens da comunicação humana expressas nas línguas orais, temos que os mesmos conceitos podem ser aplicados às línguas de sinais, já que as desordens nessas línguas também se manifestam como desordens do desenvolvimento, as geradas pelo atraso na aquisição, ou a desordens adquiridas, resultados de déficit primário - uma doença que não é consequência de outra - ou secundário - ocorrendo como consequência de outra patologia (Barbosa, 2016). Este projeto apresenta um instrumento de triagem de habilidades linguísticas baseado na Língua Brasileira de Sinais e os resultados da aplicação deste instrumento em um grupo de surdos usuários da língua.

Análise da produção e percepção da sinalização em língua de sinais brasileira por usuários fluentes (MCTI/CNPq/MEC/CAPES)

Pesquisador Responsável: Felipe Venâncio Barbosa

[projeto concluído]

O objetivo principal deste projeto foi o de investigar os parâmetros de fluência de sinalização da Língua de Sinais Brasileira com a análise do processamento natural (1) da produção da língua (sinalização) e (2) da percepção em indivíduos fluentes na Libras. Foram objetivos específicos do projeto: analisar a ocorrência das tipologias de rupturas na sinalização e o local da ocorrência destas no que se refere às fronteiras gramaticais da produção da língua em questão; analisar o parâmetro velocidade na sinalização de indivíduos fluentes; analisar a identificação (percepção) das rupturas no fluxo de sinalização por indivíduos usuários da língua; comparar a sinalização de pessoas surdas com relação ao gênero; comparar a sinalização de pessoas surdas com relação à faixa etária; comparar a sinalização de surdos e ouvintes. As análises serão realizadas com objetivos descritivos e, com relação às comparações entre amostras que serão realizadas as seguintes hipóteses serão testadas: Hipótese 1: a faixa etária interfere na fluência da sinalização de pessoas surdas. Hipótese 2: o gênero não interfere na fluência de sinalização de pessoas surdas. Hipótese 3: a fluência de sinalização de surdos e ouvintes é diferente. Hipótese 4: as características da fluência são percebidas por interlocutores que dominam a língua. As hipóteses 2, 3 e 4 foram confirmadas.

Variabilidade e estabilidade na produção de sinais da Libras

Pesquisador responsável: André Nogueira Xavier - Pós Doutorado

[projeto concluído]

Semelhantemente às línguas orais, a realização concreta de palavras nas línguas sinalizadas é suscetível à variação intra e inter-sujeito. Objetivando ilustrar esse fenômeno na língua brasileira de sinais (Libras), o presente artigo reporta a análise de três produções de seis itens lexicais dessa língua por 12 sinalizantes surdos da cidade de São Paulo. Os resultados mostram que, apesar da variabilidade em alguns parâmetros articulatórios, as diferentes produções desses sinais exibem alguma estabilidade. Tal fato deve garantir a percepção destas como diferentes realizações de uma mesma palavra e não como realizações de palavras distintas.

Análise da produção sinalizada de pessoas surdas com diagnósticos psiquiátricos

Pesquisador responsável: Emiliana Faria Rosa - Pós Doutorado

[projeto concluído]

A identificação precoce da língua de sinais atípica e os encaminhamentos e procedimentos baseados na língua de sinais são parte essenciais, segundo Barbosa (2016), para a percepção do quadro de distúrbio de linguagem. Descobrir precocemente sobre o distúrbio de linguagem que o surdo tenha é importante para seu desenvolvimento escolar, social e individual do surdo. Favorecendo ao surdo uma melhor interação e intervenção linguística. A presente pesquisa tem por objetivo analisar as características de sinalização em Língua Brasileira de Sinais (Libras) de surdos com diagnósticos psiquiátricos. Neste trabalho a pesquisa e observação foram feitas com surdos sinalizantes, usuários de uma língua de sinais. Nas observações não foram observados surdos oralizados. Por sinalizante compreende-se a pessoa que utiliza a língua de sinais como forma de comunicação e compreensão do mundo em que vive. Foi possível observar que os seis pacientes surdos possuem diferentes habilidades na produção linguística. Assim como também os níveis de produção se diferenciam. Dois pacientes passaram em todos os níveis, do pragmático ao fonético-fonológico. Enquanto os outros pacientes apresentam falhas em um ou mais desses níveis. As narrativas produzidas tiveram estímulo visual, ou seja, para cada paciente havia uma figura com muitos detalhes ou uma história em quadrinhos. Essa sinalização aberta leva a uma naturalidade de expressar-se. O paciente surdo pode assim vir a usar suas habilidades nos diversos níveis linguísticos.

Um estudo neurolinguístico sobre o processamento típico e atípico da língua brasileira de sinais em adultos surdos

Pesquisador responsável: Sylvia Lia Grespan Neves – Doutorado

[projeto em andamento]

O objetivo geral deste trabalho é analisar como ocorre a ativação cerebral envolvendo tarefas de recepçãoda língua de sinais em três grupos de sinalizadores surdos distintos: o primeiro com aquisição de língua de sinais em período ideal, o segundo com aquisição tardia da primeira língua (L1) e o último com sinalização atípica. São objetivos específicos deste projeto: (i) comparar os dados de triagem e a avaliação de linguagem com os grupos; (ii) comparar os dados de triagem e a avaliação com os achados nos exames de potenciais evocados visuais; (iii) comparar o comportamento cerebral nos exames de potenciais evocados com os três grupos de surdos.

Desenvolvimento de uma base de dados de língua de sinais para construção de um avaliador automático de gesticulação ​​​​​​​

Pesquisador responsável: Fernando de Almeida Freitas – Doutorado

Orientadora: Sarajane Marues Peres

[projeto em andamento]

O objetivo principal do projeto é construir um corpus com sinais e frases da Libras para suportar a construção de uma aplicação que auxilie na tarefa do ensino da Libras como segunda língua. Decorrente do objetivo acima delineado, alguns objetivos específicos são: propor protocolos para a organização de tais vídeos em um corpus e para a documenta ̧c ̃ao do conteúdo dos vídeos com base em metadados referentes ao protocolo seguido para a captação; caso ocorra uma alta adesão para disponibilização das imagens, disponibilizar publicamente também as imagens dos participantes; estabelecer uma codifica ̧c ̃ao numérica para o conteúdo de cada vídeo, de forma a deixá-los adequados à disponibilização pública, suportando estudos na área de análise de gestos; estabelecer um protocolo para rotulação dos vídeos conforme as notas dos especialistas que ser ́a disponibilizada tendo em vista a execução dos itens lexicais e construir modelos computacionais de avaliação automática para sinalização em libras.

A variação articulatória em libras e a orientação sexual do surdo: estudo sobre captura de movimentos e percepção linguística

Pesquisador responsável: Rogério Gonçalves de Oliveira - Mestrado

[projeto concluído]

Esta pesquisa faz parte de um projeto que visa verificar a existência de variação linguística relacionada à orientação sexual do surdo sinalizante. Neste trabalho são apresentados os dois primeiros estudos que compõem o projeto: criação de um corpus linguístico com registro de sinalização de surdos gays e heterossexuais obtidos por sistema de captura de movimentos e análise da percepção linguística de surdos e ouvintes fluentes em libras (língua brasileira de sinais) sobre estímulos construídos com o mesmo sistema. O terceiro e último estudo será realizado futuramente por meio da análise dos dados coletados no primeiro estudo. A criação do corpus linguístico se baseou no modelo de descrição articulatória proposto por Barbosa, Temoteo e Rizzo (2015) e na análise goniométrica – método utilizado para medir os ângulos articulares do corpo –, e consistiu na coleta de informações sobre os ângulos formados pelos cinco movimentos realizados pelos articuladores braço e antebraço (abdução horizontal do braço, abdução vertical do braço, rotação do braço, rotação do antebraço e flexão do cotovelo), tomando como base os recursos do sistema de captura de movimentos. As informações geradas pelo sistema de captura de movimentos forneceram dados para comparação e análise das variações dos ângulos formados na produção de sinais dos surdos gays e heterossexuais. O estudo de percepção foi realizado por meio da aplicação de questionários com o objetivo de verificar a percepção dos participantes em relação à feminilidade e à orientação sexual do surdo sinalizante e à qualidade da transmissão da mensagem. Os resultados do estudo de percepção apontaram que os surdos gays foram percebidos como mais femininos que os surdos heterossexuais e que não houve diferença significativa na percepção da orientação sexual (gay) entre os surdos gays e heterossexuais.

O fenômeno 'ponta dos dedos' na Língua Brasileira de Sinais (Libras): um estudo sobre a recuperação lexical em indivíduos surdos

Pesquisador responsável: Juliane Farah Arnone - Mestrado

[projeto concluído]

Este trabalho teve como objetivo observar, analisar e discutir como ocorre a busca por sinais-alvo, em indivíduos surdos, fluentes na Língua Brasileira de Sinais (Libras); verificar se ocorre, nesses indivíduos o fenômeno ponta dos dedos (TOF); e descrever os aspectos fonético-fonológicos na ocorrência do fenômeno. O TOF corresponde ao fenômeno ponta da língua (TOT) nas línguas orais. Esse fenômeno ocorre quando há o esquecimento momentâneo de palavras conhecidas e o sentimento de que essa palavra está prestes a ser recuperada. Tal fenômeno oferece pistas sobre o processamento da linguagem e a recuperação lexical. Poucos trabalhos foram realizados sobre este fenômeno nas línguas de sinais (THOMPSON; EMMOREY; GOLLAN, 2005) e essa investigação é importante, pois, por ser uma língua de modalidade distinta (visual-espacial), possui processos fonológicos particulares. Nesse sentido, foi elaborado um teste para eliciar o fenômeno em 34 adultos surdos, que relataram utilizar a Libras como principal meio de comunicação. O teste consistia na realização do sinal referente a personalidades famosas e a cidades no mundo. Foram exibidas imagens e o participante deveria dizer se sabia ou não o sinal referente à pessoa ou à cidade, ou se estava experienciando o TOF. Neste último caso, o participante deveria sinalizar o que lembrasse do sinal- alvo. Foram realizados 69 estímulos por participantes, somando um total de 2346 estímulos e, como resultado obtivemos a ocorrência de 20 TOFs (0,9% dos estímulos). Em todos os casos de TOF foi recuperado ao menos um dos parâmetros fonético-fonológicos (quais sejam, configuração de mão, localização/ espaço, orientação, movimento, número de mãos). Dos parâmetros fonético-fonológicos recuperados, a configuração de mão foi recuperada em 65% dos casos (13 vezes); a localização em 70% (14 vezes); o espaço em 85% (17 vezes); o movimento em 35% (7 vezes); a orientação em 50% (10 vezes); e o número de mãos em 90% dos casos (18 vezes). Corroboramos a conclusão de Thompson, Emmorey e Gollan (2005) de que o movimento é o parâmetro menos recuperado no momento do TOF. Esse fato pode indicar que os parâmetros localização, configuração de mão e orientação (mais recuperados no momento do TOF) constituem o onset da estrutura silábica do sinal, isto é, o segmento inicial do sinal. Além disso, a ocorrência do fenômeno ponta dos dedos na Libras ajuda a confirmar separação, no processamento da recuperação lexical em codificação semântica e codificação fonológica estabelecidas em modelos de recuperação de línguas orais (DELL, 1986; GARRETT, 1988; LEVELT, 1989).

Aplicação de um protocolo de avaliação de linguagem de base pragmática em falantes de português brasileiro: base teórica, procedimentos e fatores de influência

Pesquisador responsável: Ana Carolina Gomes da Silva - Mestrado

[projeto concluído]

O objetivo desta pesquisa foi aplicar ao Protocolo de Avaliação de Habilidades Linguístico- Pragmáticas de Gerber & Gurland (1989) em falantes de português brasileiro, descrevendo o comportamento linguístico exibido pelos participantes da amostra, e verificando se o desempenho dos voluntários pode ser influenciado por fatores de estilo, trajetória de vida e saúde, relatados em situação interacional a partir da aplicação de um questionário. Este protocolo avalia a ocorrência de quebras conversacionais de fundo linguístico ou pragmático e as estratégias de reparação dessas quebras, em interações dialógicas entre pacientes afásicos e interlocutores não afásicos, a partir da perspectiva do interlocutor, e possui poucos estudos na nossa população falante de português brasileiro. Partindo de uma perspectiva de língua enquanto função cognitiva do cérebro investigou-se se fatores de estilo, trajetória de vida e saúde por poderem afetar a cognição humana também afetariam o desempenho dos participantes. Foram realizadas e analisadas 66 entrevistas gravadas de participantes não afásicos com idade entre 18 e 75 anos de idade, distribuídos em três grupos etários, falantes de português brasileiro, com ensino fundamental completo como escolaridade mínima. As entrevistas foram guiadas por um Questionário de Informações Básicas elaborado pela autora a partir do Modelo STAC-R de Reuter-Lorenz & Park (2014) sobre fatores protetivos e depletivos à cognição humana. As análises de entrevistas que consideravam participantes sem vantagens e/ou desvantagens linguísticas/cognitivas mostraram que as quebras linguísticas apresentaram a seguinte ocorrência: quebras fonológicas mín.: 0, máx.: 3 vezes, quebras por problemas de recuperação lexical, mín.: 0, máx.: 1 vez e quebras por problemas semânticos, mín.: 0, máx.: 1 vez. Com relação às quebras pragmáticas, observou-se o seguinte padrão de ocorrência: por problemas de pressuposição/referência, mín.: 0, máx.: 4, problemas de mudança de turno, mín.: 0, máx.: 1, e no caso de quebras por manutenção de tópico não foram registradas ocorrências nas análises com a presença dos filtros de vantagem/desvantagem. O número de quebras detectadas sem discriminação do tipo de quebra foi mín.: 0, máx.: 5. A utilização de estratégias de reparação do indivíduo na análise em participantes sem vantagens/desvantagens apresentou a seguinte ocorrência: estratégia de reconhecimento, mín.: 0, máx.: 1, repetições:, mín.: 0, máx.: 3, paráfrase, mín.: 0, máx.: 1, adição de informação, mín.: 0, máx.: 3, revisão sintáticosemântica: mín.: 0, máx.: 2. As estratégias de reparação do indivíduo ocorreram no mínimo 0 e no máximo 7 vezes, em situações de ocorrência de quebra. Os resultados também mostraram que apenas a presença de problemas neurológicos foi estatisticamente significante para a ocorrência de quebras linguísticas e para o total de quebras detectadas na amostra. Esse resultado está dentro do esperado pois o protocolo foi elaborado para avaliação de afasia, que é um problema neurológico que afeta a linguagem especificamente. Entretanto, os problemas relatados pelos participantes não incluíam afasia, foram pontuais e bastante anteriores ao momento da entrevista na maior parte das vezes. Concluiu-se, portanto, que o protocolo é um bom instrumento de avaliação individual, sensível à presença de problemas neurológicos em nossa população também. Sugerimos que o protocolo seja utilizado de forma complementar a outros tipos de instrumentos de avaliação de linguagem, por ser específico para a avaliação da comunicação dialógica.

A linguagem de sujeitos com Doença de Alzheimer em interação semi-espontânea

Pesquisador responsável: Andréa Farias Higa - Mestrado

[projeto em andamento]

Esta dissertação visou apresentar uma análise dos discursos de sujeitos com doença de Alzheimer. Nessa perspectiva, desejou-se observar pontos centrais discursivos, bem como, a investigação da linguagem e a percepção visual. A doença de Alzheimer (DA) é compreendida por alterações cognitivas e comportamentais que alteram as práticas sociais cotidianas. Sendo associada ao envelhecimento, observando-se um aumento da sua frequência a partir dos 65 anos de idade. No comprometimento da linguagem podem ser classificados em três estágios da neurodegenerescência: sendo considerado leve por alterações no campo semântico-lexicais-pragmáticos; moderada por alterações fonológicas, sintáticas e morfológicas, e, na severa com prejuízo nas habilidades linguísticas, por vezes ocasionando o mutismo. O objetivo geral é investigar discursos de portadores da doença de Alzheimer, articulados com a abordagem enunciativo-discursiva da linguagem que tem como referência os processos de construção do significado em uma situação efetiva de interlocução no campo cognitivo e visual tanto para indivíduos com a doença de Alzheimer como para idosos saudáveis. Também analisaremos os discursos dos idosos com o apoio de fotografias fazendo alusão a um contexto de sua experiência de vida em uma situação dialógica sendo a problemática entre a percepção visual e a linguagem em uma interlocução efetiva.

Análise da produção linguística de surdos e da mediação em ambulatório de saúde mental

Pesquisador responsável: Simone Myiashiro da Silva– Iniciação Científica

[projeto concluído]

O objetivo desta pesquisa é apresentar uma descrição da produção de língua de sinais produzida por pacientes surdos com diagnóstico médico de desordem psiquiátrica do Hospital das Clínicas, atendidos pelo programa PROSOL. Foram analisados aspectos fonológicos, lexicais, sintáticos e pragmático das produções linguísticas observadas. Para este estudo, alguns pacientes foram acompanhados através de consultas médicas com um residente de medicina, um psicólogo e um intérprete de Libras. No momento das consultas,  além das demandas médicas, a produção linguística do paciente surdo foi observada a partir dos aspectos fonológicos, lexicais, sintáticos e pragmáticos a fim de identificar aspectos atípicos na sinalização desses indivíduos e dessa forma, auxiliar médicos e psicólogos com o andamento do tratamento. Os resultados apresentados indicam que os principais traços de sinalização atípica observados se encontram nos aspectos pragmáticos. Em uma conversa rápida, é possível perceber se o paciente respeita os turnos de fala, se ele responde adequadamente às perguntas ou se traz informações irrelevantes com frequência e se é objetivo nessas respostas. Com relação aos aspectos fonético-fonológico lexicais, pude observar um caso de ecolalia em uma paciente surda. Aspectos atípicos na sinalização em nível fonológico também podem ser observados em pessoas cuja coordenação motora é comprometida de alguma forma. Na análise da sintaxe, não foi observado nenhum aspecto que poderia caracterizar sinalização atípica. Ao finalizar este relatório, pude perceber que é possível realizar um atendimento utilizando a língua de sinais sem buscar normalização na comunicação com o indivíduo surdo.O atendimento que valoriza e compreende a língua desse indivíduo coloca o paciente numa posição de independência, porque a presença de profissionais fluentes em língua de sinais pode promover maior segurança e privacidade para que o paciente surdo não seja dependente de familiares para interpretá-los durante consultas. Além disso, o profissional tradutor-intérprete de língua de sinais pode informar à equipe médica as questões linguísticas apresentadas pelo paciente que podem ser relevantes para o andamento do tratamento e para a pesquisa de um diagnóstico. 

Adaptação do teste de repetição de sentenças: um estudo sobre os princípios de complexidade presentes na Libras

Pesquisador responsável: Marco Antônio Teixeira Júnior – Iniciação Científica

[projeto concluído]

Neste relatório de pesquisa pretende-se apresentar (i) os resultados obtidos a partir da investigação feita sobre os princípios de formulação do teste de fluência ASL SRT – American Sign Language – Sentence Reproduction Test - (HAUSER et al, 2008), (ii) uma versão preliminar de tal teste já adaptado para a Libras, baseada na última publicação do autor sobre o assunto (HAUSER, 2014), (iii) a inclusão da abordagem sobre memória de trabalho (do inglês Working Memory) que se mostrou muito importante para a formulação de um teste de avaliação linguística como o que se apresenta aqui e (iv) os resultados da aplicação piloto do teste. O teste de repetição de sentenças adaptado requer do participante que assista a pequenos videoclipes contendo sentenças da Libras. O teste consiste em 20 sentenças que se distribuem em ordem crescente, em grau de extensão e complexidade. A aplicação do teste requer treinamento mínimo, porém necessita que os avaliadores sejam fluentes em Libras., de tal modo que possam atribuir pontos iguais a 1 (repetição perfeita) ou 0 (desvio do estímulo original). A revisão da literatura contou com a seleção dos níveis de linguagem (i.e. morfologia, sintaxe), das abordagens feitas sobre a técnica de soletração manual, bem como uma breve explanação do conceito de Memória de Trabalho, que se mostrou relevante para uma boa interpretação dos fenômenos linguísticos retirados dos resultados de cada aplicação. Em seguida, relacionaram-se a tais aspectos os possíveis níveis de complexidade que pudessem auxiliar na formulação das sentenças do teste. Este trabalho também contou com a aplicação do teste, em caráter piloto, em dois sujeitos surdos, com histórico de aquisição de linguagem normais.

Um estudo bibliográfico sobre a aquisição e a perda de aptidões cognitivas do cérebro humano

Pesquisador responsável: Mirella Ramos Santos – Iniciação Científica

[projeto em andamento]

O objetivo deste trabalho é realizar uma revisão bibliográfica sobre  os processos que ocorrem no cérebro humano e que são responsáveis pelo desenvolvimento da cognição voltada e da linguagem  em dois estágios diferentes da vida humana: os momentos do desenvolvimento/aquisição dessas aptidões na infância e suas desordens, com foco específico na Doença de Alzheimer.

logo lisco​​​​​​​